:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Microcontos

Até para o plágio é preciso talento.


.:: mês anterior :: :: :: :: January 2004 :: :: :: :: próximo mês ::.

23 Janeiro

Microconto wellesiano

Ele entrou na sala escura. A fresta da porta iluminava apenas um pedaço do assoalho recém-encerado. Puxou a maçaneta com força, para anunciar aos presentes sua irritação. Pediu a um assessor a pasta de couro com os documentos e começou a vasculhar dentro dela. Retirou um envelope imenso, branco, tão branco que parecia ser a única fonte de luz do ambiente. Esfregou-o na cara de cada um dos homens sentados à mesa de reunião, todos mudos, temerosos e indiscerníveis na escuridão. Caminhou até o centro da sala e, com gestos grandiosos, rasgou o envelope sem sequer abri-lo. Quando os pedaços caíram ao chão, pôde-se ler num deles: era a carta de nomeação para o Federal Bank, com o campo do destinatário em branco.
12:23:48 - hubbell -

17 Janeiro

Microconto novaiorquino

Ele entrou no apartamento de 28,5 m2 que custava US$ 3,200 por mês, na esquina da Sétima com a 14. Puxou a maçaneta com força, para ajustar o trinco emperrado, e o janitor apareceu em seguida para reclamar do barulho e da embalagem de pizza pra viagem que havia entupido o bocal do lixo no corredor. Fechou a porta, passou os quatro ferrolhos e espiou pelo olho mágico pra ver se o janitor já havia ido embora. Abriu a lingüeta do backpack e sacou o notebook. Vasculhou a gaveta semi-aberta da mesa, pegou um adaptador blue tooth e encaixou na porta traseira do aparelho. Depositou seu double caffe latte non fat macchiatto decaf with a thin layer of foam with a twist of cinnamon to go sobre a mesa, acendeu um incenso e mergulhou nas águas turvas da Web.
05:44:00 - hubbell -

11 Janeiro

Microconto stendhaliano

Ele entrou na sala com o rosto toldado. Puxou a maçaneta com força, para ajustar o trinco emperrado, enquanto amaldiçoava a pobreza do ambiente. Abriu a presilha do coldre e tirou a pistola. Vasculhou a gaveta semi-aberta da mesa, pegou uma caixa de munição e preencheu a culatra que estava vazia. Queria sair novamente, balear o primeiro que encontrasse, acabar com a falsidade do mundo e a sua própria. Sentou-se na beira do catre desarrumado. O que Bonaparte faria numa situação dessas?
06:42:00 - Zeno -

06 Janeiro

Microconto sattiniano I

Ele entrou na sala e encontrou as mesmas cores ruidosas. Puxou a maçaneta decidido e não fosse a previdência de seu personal handyman, um consertador-useiro-e-vezeiro cuja pertinácia em explorá-lo não via limites, o trinco outrora emperrado teria encontrado rapidamente o chão. Abriu a presilha do coldre e tirou o smith-wesson calibre 38, cano longo e meio ressentido. Vasculhou a gaveta semi-fechada da puçanga, arrebanhou uma caixa de munição e preencheu as duas câmaras vazias. Depositou a arma, acendeu um improvável Saint Moritz que jazia esquecido no bolso da camisa mal lavada e dedicou-se a enxaguar o copo que o aguardava na pia macilenta. Só então, vendo a água turvar pelo ralo, pensou na garota, mas logo se viu mergulhado na purgação do líquido até o mar próximo.
14:57:55 - Mathieu -

04 Janeiro

Microconto trevisaniano

Ele: O que você faz aqui?
Ela: Lavo a louça, seu infeliz.
06:39:00 - hubbell -

.:: mês anterior :: :: :: :: January 2004 :: :: :: :: próximo mês ::.