:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Je me souviens

Eu te lembro que esta seção tem como dívida explícita o “Je me souviens” de Georges Perec, o livro de Geraldo Mayrink e Fernando Moreira Salles e a série “Ich erinnere mich” publicada no Die Zeit.


.:: mês anterior :: :: :: :: March 2007 :: :: :: :: próximo mês ::.

22 Março

Eu me lembro

Conforme o prometido, eu e o nosso Renato K. nos lembramos do Hotel Xuxu, em Diadema. Não sei quanto ao Renato, mas de tanto passar em frente, no início da década de 80, comecei a ter umas fantasias fassbinderianas sobre o lugar [eram os tempos em que 10 em cada 10 cineclubes, aliás eram os tempos em que havia cineclubes, valha-me, programavam retrospectivas do alemão numa semana, do Bergman na seguinte e do Fellini pra arrematar; não falhava nunca, e não sei que danos essa trinca provocou em muita cabeça cinéfila de então]. Bueno, no que consistia o projeto de estação no inferno: trancar-se no Xuxu por duas semanas, sem pôr a cara pra fora, acompanhado do kit Garota Tipinho Problemática + engradado de vodka Popov + pacotes abundantes de Minister. Eram bons aqueles anos oitenta – basta ver um possível equivalente dos anos 2000: Wong Kar-Wai, Hotel Ibis, Garota Tipinho Problemática [categoria imutável], Stolichnaya e uns pacotes de Marlboro azul. Mudei eu ou mudou a economia pós-Rodada de Doha?
01:57:37 - Zeno - 9 comentários

21 Março

Eu me lembro

Eu me lembro, na verdade eu não me lembro, porque a história me foi contada, de uma tia cinéfila, dos tempos em que se compravam as revistas com as estrelas de róliúde, que era apaixonada por dois gêneros específicos de filmes, que ela seguia assiduamente e pronunciava caprichadamente: ganjéster e farvéster.
08:00:00 - Zeno - 8 comentários

20 Março

papel de seda

ela se lembra do 'desenhocop'.
uma maravilha quando chegou: mapas, pássaros, répteis finalmente ficaram fáceis de copiar, naquelas infinitas lições de casa.
antes tínhamos que chupar em papel de seda, depois rabiscar nas costas da folha, daí riscar de novo no lado direito, até o desenho sair na 'lição'.
com o desenhocop não!
o desenho já vinha impresso no avesso das folhas de seda, era só riscar - 1º a gente rabiscava tudo, era uma delícia, depois aprendia a só riscar em cima dos tracinhos - ela gostava tanto da seda que às vezes amassava uma.
grande cara o inventor, esse tá no céu duma certa criançada.

.:: mês anterior :: :: :: :: March 2007 :: :: :: :: próximo mês ::.