:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Je me souviens

Eu te lembro que esta seção tem como dívida explícita o “Je me souviens” de Georges Perec, o livro de Geraldo Mayrink e Fernando Moreira Salles e a série “Ich erinnere mich” publicada no Die Zeit.


.:: mês anterior :: :: :: :: August 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.

31 Agosto

jeunesse dorée, ou já eu nessa só comia dourada

eu me lembro,
de qdo o que em mim sentia,
só pensava nas delícias do xpto

e o que agora,

carcomido por anos de excessos eqüivocados
(mas enfim livre daqueles inesquecíveis odiêiti das docas de santos pelos confortantes, verdes e amaciantes jôniuóquers)

penso -penso-,
no que só sinto -qual azia megatérica-
nas malícias do npto
14:07:43 - George Smiley -

23 Agosto

Eu NÃO me lembro...

... e por isso preciso de ajuda prum Je me Souviens aqui no blog. O diabo e eu éramos meninos, final dos anos sessenta, início dos setenta, e havia um brinquedo que era a sensação da rapaziada: uma pista de corrida que imitava um tobogã, cheia de sulcos onde "corriam" carrinhos que não eram carrinhos, na verdade, e sim cápsulas de plástico (bicolores?) parecidas com remédios, que, desconfio, graças a um peso de metal dentro delas, iam descendo pista abaixo em cambalhotas, tlec, tlec, tlec. A graça era ver qual cápsula chegava primeiro, e embora a descrição acima não ajude, garanto que o troço era sensacional. Alguém por favor sabe o nome da bagaça? E se era fabricada pela Atma ou pela Trol? Ajudas serão muito bem-vindas na caixa de comentários.
12:52:45 - Zeno -

08 Agosto

Eu me lembro

Eu me lembro do saudoso Grupo Sérgio e do não menos, ainda que genérico do anterior, Grupo Ballan, defensores da alta gastronomia paulistana e inventores incontestes (recebam um “inconteste”, como diria o santista Franciel) do rodízio de pizza em SP. Lembro que meu recorde de fatias ingeridas foi lá, 19. E que um amigo bateu o recorde com 23. E que um outro amigo apelidou as coisas estranhas que a gente encontrava de quando em vez nas pizzas de O.N.I., com direito a um pratinho coletivo onde eram recolhidas para um divertido exame ao final do jantar. E que havia um garçom habilidosíssimo, capaz de, na cabeceira da mesa, atirar os pedaços de pizza no ar, em direção aos pratos erguidos pelos comensais que sentassem nos lugares do fundo, com margem de erro mínima. Lembro, por último, da reclamação de outro amigo: “Pô, esse recheio da pizza de atum parece papel molhado!”, no que foi secundado pela sábia observação: “Então come logo antes que seque.”
19:59:44 - Zeno -

.:: mês anterior :: :: :: :: August 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.