:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Critérios Inamovíveis do Bar Absoluto

Recebemos algumas reclamações sobre nossa Seção A Busca do Graal. Os céticos se perguntam: mas existe o Bar Absoluto? Os bairristas questionam: por que vocês não falam daquele bar na esquina de casa? Os palmeirenses querem saber: onde comemorar a volta à Primeira Divisão? Os mineiros interpelam: por que diacho estaria Ele localizado em São Paulo e cercanias - por pura predileção bizarra dos deuses? Para esclarecer a todos e tranqüilizar os pés-de-cana mais afoitos, decidimos revelar alguns dos procedimentos de avaliação utilizados por este blog.

Em função da idade provecta de nossos pesquisadores, ficam excluídos de antemão:
-bares com cadeiras dobráveis (provocam lumbago);
-bares com mesas de metal, daquelas com patrocínio (são bambas e derrubam a bebida);
-bares com dependências exclusivamente ao ar livre (o sereno, esse inimigo oculto);
-bares que confundem "meio-fio da calçada" com "território pertencente ao bar";
-bares em que se bebe de pé (vide lumbago acima).

Outros itens mais sutis e, em certos casos, impalpáveis, podem prejudicar a avaliação, como essa recente e obsessiva vontade paulistana de copiar bares cariocas de antigamente, cujo único saldo salutar para a cidade (nada desprezível, é verdade) foi o de melhorar a qualidade do chope consumido por estas bandas. O custo, como sabemos, foi o da constante luta com o garçom para que ele não deposite na sua mesa mais um chope não pedido.

Por outro lado, é inegável que certas características atraem a simpatia e têm grande chance de conspurcar nossa imparcialidade:
-preços camaradas;
-a presença de bêbados "oficiais" do bar, com certificado de tombamento histórico e pele macilenta e acinzentada;
-garçons e garçonetes que não trabalham no "meio artístico";
-fumaça distribuída em doses calculadas (nem "dá pra cortar com faca", nem filial de sala cirúrgica);
-petiscos tradicionais (tremoço, torresmo, etc) em combinação com outros mais inusitados (lascas de qualquer coisa, bruschettas variadas, etc);
-banheiros em condições de uso;
-brindes distribuídos a membros da direção do blog.

Certos de termos contribuído, ainda que timidamente, para a separação do joio e do trigo alcoólicos desta cidade, só resta dizer que as sugestões e críticas de outros Percivais e Galahads serão muito bem-vindas. Preferencialmente no horário comercial, que de madrugada a qualidade dos textos tende a cair.
posted at 12:21:30 on 21-11-2003 by Zeno - Category: A Busca do Graal


Comentários

carla wrote:

me diga então : por que a mania de bares santos ??? santa aldeia, santa justa, santa bárbara e outros t(s)antos.
o que essa gente quer ? dar um trago prô santo?
coisa mais chata...
21-11-2003 14:59:40

Zeno wrote:

Também não gostamos desse modismo. Acreditamos que religião e álcool só deveriam se misturar na hora do vinho da missa. Ou na sacristia do padre. Ou naquelas horas difíceis, fim de noite, mamados, em que exclamamos: "Se eu escapar dessa juro por Deus que não boto nunca mais uma gota de álcool na boca".
21-11-2003 15:05:16


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo