:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Torcida que canta e vibra

Naquele fatídico 17 de novembro de 2002, quando o Palmeiras era derrotado pelo Vitória em Salvador e as câmeras de TV mostravam a comemoração da torcida do Corinthians no Pacaembu, confesso que a primeira coisa que me veio à cabeça foi: “Ué? Será que a Gaviões da Fiel não leu a Fenomenologia do Espírito, do Hegel?”

Se tivessem lido, eles jamais estariam comemorando a aniquilação do rival, pois saberiam que Palmeiras e Corinthians têm sua essência construída a partir da identidade, da diferença e da negação um do outro. Um corintiano só se define em sua completude pelo fato de ser essencialmente antipalmeirense. E vice-versa. Um não existe sem o outro, e ambos dependem dessa oposição, dessa alteridade, para se afirmarem. A conseqüência dessa má compreensão do filósofo alemão por parte da torcida do Corinthians trouxe os resultados que sabemos: o time foi se desmilingüindo ao longo de 2003 enquanto o Palmeiras, mais do que simplesmente voltar à Primeira Divisão, apresentou aquilo que todo torcedor viúvo da Copa de 82 aprecia: o time jogou bem. É com esperança, portanto, que aguardamos 2004, certos de que a Gaviões terá o ano inteiro para ler a obra máxima de Hegel. Para os desafortunados que não lêem em alemão, que seria o ideal, recomendamos a clássica tradução francesa de Jean Hyppolite, Phénoménologie de l'esprit, Paris, Ed. Aubier, 42 euros no site da www.alapage.fr. Ou peçam pro Vampeta, que já jogou no Paris Saint Germain e é amigo da Sabine, dona de uma simpática livraria no Marais.
posted at 10:05:53 on 23-11-2003 by Zeno - Category: Tectum Intuentes


Comentários

Puntoni wrote:

Sem comentários
24-11-2003 19:05:52

Zeno wrote:

É triste constatar que, além de pouco versada em assuntos filosóficos, a Gaviões tampouco prima pela loquacidade.
24-11-2003 20:53:41

Biro wrote:

Esse negócio do Hegel parece mesmo é coisa de viado.
25-11-2003 09:27:18

Zeno wrote:

Que nada! A sacanagem rolava grossa entre o nosso pensador e as moçoilas da sua cidade natal de Stuttgart. Tudo aquilo deu um novo significado à expressão "salsicha com molho de mostarda".
25-11-2003 09:32:02

Lobo Mau wrote:

De fato, estamos morrendo de saudades dos porcolinos...
25-11-2003 18:17:00

Franciel wrote:

Porra, Zeno. Profecia é isto aí. O resto, como diria meu amigo Beto Bahia, é divisóra de sanitáro público.

Agora, diante de tal texto, só me resta repetir as sábias palavras de Bento XVI: "Zeno, você é muito sabido. Atrás de você eu sou um jumento".
28-11-2008 12:31:23


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo