:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Bares da Vila Olímpia

A filial brasileira do Triângulo das Bermudas existe e fica situada na Vila Olímpia, na esquina da Atílio Innocenti com Jesuíno Cardoso. Não há Dante que descreva aquilo. A maior concentração de babacas de estrita observância por metro quadrado, superando em muito os limites estipulados pela Saúde Pública para aglomerações desse tipo. Alguém poderia protestar: "Pô, minha tia mora ali por perto!". Como na piada da cidade pequena com putas e jogadores de futebol, nós diríamos: "Foda-se!".

Fui levado por dois amigos da onça da chamada Inclusão Digital (ardam no inferno dos proctologistas). As ruas todas do entorno são caóticas, apinhadas com bares que se encaixam em apenas duas categorias: recém-inaugurados ou fechados/falidos. Na esquina mencionada, quatro deles, quatro vértices do maldito triângulo – mistérios do Demo que desafiam a geometria e a nossa índole boa por natureza. Um deles tem decoração “inspirada em Firenze e no Rio Arno”, o outro desce mais a Bota e vai até a Sicília hollywoodiana, e em todos as consoantes duplas em diversas combinações pululam nas placas.

A cerveja pedida chega num copo de plástico. Prensa no pobre do garçom: Plástico, porra? "O senhor me desculpe, mas é que ontem (uma segunda-feira) o lugar tava cheio e o pessoal se empolgou além da conta. O saldo foram 300 copos quebrados". Numa única noite. Começa a tocar um negócio nos alto-falantes e o bar inteiro grita de excitação e começa a cantar junto, "Uh uh uh uh, já sei namorar, já sei jogar bola", caralho, que é isso? Alguém me diz que são os Tribalistas dos Montes, Browns e Antuneses. O DJ abaixa o volume da voz da Infeliz e 300 pessoas brincam de karaokê animado. Queria ver se o Percival ou o Lancelote encaravam uma dessas.

Nota: costumamos dar nota por comparação, e eu confesso que não consigo comparar aquilo a nada que eu tenha visto anteriormente.
posted at 10:44:51 on 26-11-2003 by Zeno - Category: A Busca do Graal


Comentários

bandini wrote:

Amigos da inclusão... o escumbau!!!
Cara, que era aquilo. Uma horda de selvagens, moças e rapazes, acéfalos. O triângulo da Vila Olímpia levou apenas os cérebros e deixou a carne. Mas pelo menos a picanha estava boa, não?
26-11-2003 11:19:07

Sorel wrote:

Pelo menos a gente deu uns beijos na boca! hehehe.

Atenção meninas: é brincadeira.
26-11-2003 11:28:27

lubk wrote:

meninos:
quem sabe um dia vocês aceitem minhas sugestões de bares no itaim. vejam bem, I T A I M, jamais v. olímpia.
que idéia de girico ir parar nesse sítio!!!
agora entendo por que sorel chegou cedo em casa : beijou, beijou e foi embora.
menos mal.
26-11-2003 11:46:14

Sorel wrote:

Que nada! voltei cedo na esperança de encontar em casa minha amada, e beijá-la não só como a primeira do dia, mas como a primeira da vida, porque, sim, foi nela o único e verdadeiro beijo.
26-11-2003 12:00:28

pôla wrote:

ah, mas a volimpa é a mais perfeita demo do sú do mecusaid amilagrado pelos verdes daqui, delá e de antanho.
urban styling by maluf, sacumé?
produção em série de mercado futuro.
inclassificável, sem dúvida.
26-11-2003 20:10:48

Zeno wrote:

Ainda está para ser escrita a verdadeira epopéia da babaquice paulistana, com origens histórico-geográficas na Moema dos anos oitenta, escorregando para o Itaim dos noventa e atingindo, no terceiro milênio, o esplendor urbanístico da "volimpa" citada.
26-11-2003 20:16:45

pôla wrote:

ah, e tem mais.
a coisa toda começou mesmo no final dos setentas, c/ a grande confederação dos babaquaras se fartando na explosão de "barzinhos" da henriquishóma. consta que vários de ex-professores da usp. aposentados?
foi ali que começou o estupro imobiliário-lazerento da vilamadá. divertido mesmo era cutucar os bitchogrilo, então, promovendo-os à vanguarda da especulação imobiliária.
lá se definiu o modelo que cul-mina arrotantemente na volimpa e no píncaro da glória que é a breganovaconceição (essa é p/ evitar a bala, se preciso).
como sói acontecer nessas plagas, a ex-querda distraída colabora na busca do buraco desguarnecido.
com as excusas pela procto-dialética.
27-11-2003 13:57:09

Ai! wrote:

Pôla, vocé é o máximo!
29-11-2003 21:23:16

Zeno wrote:

A direção endossa o breve comentário acima. Quanto à dialética, só um acréscimo etno-geográfico: a explosão da "henriquishóma" é prima-irmã da tal babaquice Moema, já que a pizza frita nos dois lugares era a mesma. Ficamos assim: duas vertentes imobiliárias de ignomínia que convergem pro Aleph mágico que é aquele bar Astor, o enclave Vila Olímpia por excelência no meio da Vila Madalena. Mas pelo menos o chope é bom...
01-12-2003 08:42:50

Guloso wrote:

Mas o sanduiche de queijo palmira com copa é bom
01-12-2003 19:12:03

Zeno wrote:

As comidas todas de lá são boas, mas o prato principal, mesmo, é sentar ali na janela e ver os manobristas conduzirem os carros da noite, cujos preços, somados, dão o PIB da Somália.
02-12-2003 07:42:17

pôla wrote:

turma bacana é outra coisa.
qdo olhei o cardápio na porta do astor, pensei c/ meus botôes:
p..., desse jeito, pro whisky, aqui, só em 2043, qdo meu tombo na praça se efetivar em toda sua integridade.
afora o fato de q. ñ me admito de óculos escuros num bar.
e eu ñ tinha visto o itaim.
ah essas meninas e sua doce e santa ingenuidade-em-vão...
03-12-2003 19:38:42


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo