:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Queixas ao bispo

O bispo estabelece um marco do neofundamentalismo religioso em solo tupiniquim.

O bispo é nosso primeiro homem-bomba: quer morrer e levar consigo a vida de milhares que não têm nada a ver com isso.

O bispo não quer papo. É tão dogmático quanto a fé que professa, e a maneira de agir bem o denuncia. Aliás, já que em última instância está cometendo um suicídio, a Igreja podia começar a rever seus conceitos, ou então excomungá-lo.

O bispo tem o mesmo potencial de histeria de qualquer participante de reality show. Dispõe de agente, posa para fotos, não tem o menor pejo de chantagear uma autoridade constituída. É já que vai se refestelar no sofá da Hebe e fazer o circuitão da mídia que, como ele, explora a ignorância.

O bispo é seriíssimo candidato a sucessor de Padre Cícero e Frei Damião no panteão de mitos do tolo e sofrido imaginário popular nordestino.

O bispo é o exemplo prático de que religião e Estado não são separados no Brasil.

O bispo (franciscano) está mesmo é a pedir por um outro bispo (dominicano? beneditino? da Igreja Universal?), que faça greve de fome até que o governo retome imediatamente o projeto de transposição.

O bispo deveria voltar suas preocupações contra a ação do tráfico em Cabrobó, onde vive, celeiro da maconha de melhor qualidade, digo por ouvir dizer, produzida em território nacional.

O bispo talvez compreenda que a única alternativa para frágil economia do semi-árido são justamente projetos agrícolas de alta tecnologia (carcinocultura, fruticultura, floricultura), voltados à exportação, em detrimento da velha lavoura de subsistência que ele defende —justamente um sustentáculo da indústria de bispos, e também da de coronéis, que não por acaso o apóiam nessa empreitada.

O bispo ignora que a atrasada transposição do São Francisco é só um paliativo até que seja finalmente necessário transpor as águas do Tocantins, para garantir a segurança de uma área que o Deus do bispo negligenciou no envio de chuvas, mas se esqueceu de avisar aos fiéis.

O bispo... Ah, o bispo...

posted at 13:47:06 on 06-10-2005 by Pinto - Category: Jornal Velho


Comentários

Pinto wrote:

Desculpa aí, galera. Baixou o Jabor mas foi coisa temporária. Já tô cantando pra ele subir.
06-10-2005 13:48:53

Giu! wrote:

Eu não ligo, já que adoro o Jabor, HAHAHA!
06-10-2005 13:57:30

Cam Seslaf wrote:

Eu também não ligo. Também estou ULTRAJADA com o Bispo.
06-10-2005 14:52:30

Jacaré é tudo igual wrote:

Essa minha alma superficial é uma tristeza... concordo com tudo, mas gostei mesmo foi do "maconha da melhor qualidade, digo por ouvir dizer", hahaha... quem te contou, foi uma amiga sua, que a gente não conhece não ? ;o)
06-10-2005 17:19:11

Pinto wrote:

E do Centro-Oeste, a quilômetros dali! Pra vc ter uma idéia do poder dessa marafa!

:^D
06-10-2005 17:25:39

Renato K. wrote:

Nota dez para o texto, cem para o comentário da Cyn e mil para a réplica !!! :-)
07-10-2005 07:50:17

Outra flor do cerrado wrote:

Melhor esclarecer esse Centro-Oeste aí. Até para não difamar a produção agrícola do glorioso Piauí. ;D
07-10-2005 11:19:59


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo