:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Kinoshita

Olha, resumindo é o seguinte: é seriíssimo candidato a um dos melhores japas de São Paulo, o que não é pouco mérito. Porque, encravado na Liberdade, é sofisticado e se mantém fiel às origens, não se mudou para o Itaim. Porque a ambientação é sóbria sem ser severa. Porque o sunomono (aquela banal conservinha da entrada) logo anuncia a que se vem. Porque o mais simples sashimi tem um sabor de outro mundo. E porque a picanha marmorizada (à guisa de um wagyu) marinada no missô, selada e servida com shimeji (se não souber o que é não merece ir a um bom japonês), coberta com uma cebolinha (couve?) congelada-e-frita e um molho à base de mel com pimenta foi a delícia culinária do ano, pelo menos até agora.

Mas o bom mesmo é o chef do lugar. Nascido no Japão e criado em Engenho de Dentro, Rio de Janeiro, Murakami-san já viajou boa parte do mundo e não perdeu nem a ginga nem os esses chiados, adquirindo um talento cênico suficiente para envolver a clientela sem jamais ser chato. É uma atração à parte sua passagens pelas mesas para conferir a quantas anda a refeição, dar um ou outro palpite e, sobretudo, bater papo, discorrendo sobre a arte de fazer um bom dashi, sobre aquele filme do Kobayashi (atenção, Zeno!) ou só jogando conversa fora mesmo, entremeando as frases com um "Yééééish!" aqui, um "Show!" e um "Do caralho!" acolá. Isso por si é uma atração à parte, mas se a sua mesa tiver sido ornada com um formoso arranjo da rarísisma Flor Carmesim do Cerrado, então, a noite terá sido perfeita.

Nota: olha só, déish miojosh, malandro!

Serviço: Fica na Rua da Glória, 168, e os fones são 3105-4903 e 3241-3586. Fecha às 22h e não abre aos domingos. A dica é ligar um dia antes e pedir para o homem fazer o menu degustação, com o que tiver de melhor no dia. Ah, sim: prepare o bolso, que japonês barato não existe, e japonês acima da média tem preços idem.

posted at 09:00:00 on 19-06-2006 by Pinto - Category: ...ou então miojo


Comentários

CrissMyAss wrote:

Obrigada pela dica.
Com toda essa coisa gay, tava quase me esquecendo que Sampa tem boas coisas a se fazer!
19-06-2006 10:47:11

Pinto wrote:

Mas cê quer coisa mais gay do que restaurante japonês???!!!
19-06-2006 11:02:43

captcha wrote:

Eu ia ao Kinoshita nos áureos tempos, mas agora...putz, tô quase fazendo uma poupança japa. Tá difícis demais. O problema é que o paladar não aceita mais qualquer japa...
19-06-2006 11:10:51

Alena Cairo wrote:

Anotei!
19-06-2006 17:02:35

Perozzi wrote:

Não tem dica de pastelaria, não? Lumpesinato também come, sabia?
20-06-2006 16:48:01

Pinto wrote:

Ué, vai lá na seção dos miojos, tem coisa mais barata (e quase tão boa quanto) por lá...
20-06-2006 18:31:52

Nunca Mais Beberei wrote:

Déish miojosh para a comida, déish Engovsh para a Heleninha do Cerrado...
20-06-2006 19:00:19

Pinto wrote:

Heleninha teve amnésia alcoólica, mas eficaz mesmo é o Viagra que ela anda tomando. Digo, aliás, apenas por ouvir dizer, antes que me interpretem mal. As únicas carnes em que estive na noite foram as da supracitada picanha.
20-06-2006 20:17:04

Heleninha wrote:

Jesus and Mary Chain, "Viagra"?! o.O
21-06-2006 12:47:48

na boa wrote:

beleza, mas não entendi o *já viajou pra cacete e não perdeu a carioquice*
cuma? tem que perder? mas ser japa e ficar na liberdade é legal?
22-06-2006 02:05:29

Pinto wrote:

Explico: é uma constatação somente a questão da carioquice. O cara já viajou muito, morou fora, reside aqui há tempos e continua um malandrão caraioca, acho digno de nota. E ficar na Liberdade é legal, sim. No meu conceito, sim, porque seleciona a freqüência, afastando celebridades de plantão. Só vai quem mesmo gosta.
22-06-2006 10:42:14


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo