:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Jornalismo 'Dá ou Desce'

Um breve interlúdio pessoal: estou à procura de uma escola para matricular meu filho. Eis que leio na Veja que o Colégio Porto Seguro, —aliás, bem avaliado no caderno especial do Estadão há uma semana, sobre o desempenho das escolas paulistanas no Enem—, "descia" por "obrigar seus alunos a assinar um panfleto petista". Leio depois nota bastante elucidativa assinada pelo colégio e, adiante, a canhestra justificativa da revista, que segue com grifo meu:

"VEJA errou
VEJA errou ao dar um Desce (1) para o Colégio Visconde de Porto Seguro (seção Panorama, edição 2086, 12 de novembro) sob a justificativa de que "a escola paulistana obrigará os alunos a assinar um panfleto de propaganda petista". As informações de que a revista dispunha sobre o assunto não eram sólidas (2) o bastante para fazer tal afirmação. VEJA se desculpa com a direção, professores, alunos e pais de alunos pelo julgamento curto e drástico (3) passado (4) sobre as escolhas didáticas de uma instituição com 130 anos de tradição do melhor ensino (5) em São Paulo. A questão da doutrinação (6) a que estão sendo submetidos os alunos de tantas e boas escolas brasileiras é bem mais séria e não pode ser objeto de uma nota breve (7). Esse fenômeno exige análise profunda e continuada da imprensa e deveria também atrair a atenção de pais de alunos e educadores."


Ouso refletir:

(1) "Dar um desce". O trocadilho, além de um belo ato falho, é uma das expressões mais vulgares jamais publicadas na imprensa brasileira, esse manancial inesgotável, incluindo o conjunto da obra de César "Blow" Giobbi e Peçonha Racy. Definitivamente, não é pouca coisa.

(2) Afinal, como investigar de maneira "sólida" um assunto tão hermético como esse, em que todos os fatos e envolvidos são públicos e notórios? Que tal o uso dos verbos "obrigar" e "assinar", na frase anterior, para designar —com tamanha má-fé— um expediente idêntico utilizado pela própria editora Abril para distribuir seu material isento de doutrinação nos colégios?

(3) Garrucha, escopeta e canivete são ferramentas igualmente curtas e drásticas. Embora morto, Assis Chateaubriand faz escola.

(4) "Julgamento passado" no sentido de "transmitido" é, acima de tudo, seboso como estilo de redação. Próprio de quem "dá um desce".

(5) Eis a distorção da distorção. Quer dizer que a "questão da doutrinação" aflige as escolas, é? Quais? Aquelas que não adotam impressos da Abril? E a total contradição dos termos: onde está a tradicional excelência do colégio, aludida na frase anterior, diante disso?

(6) E a imprensa brasileira seria doutrinada? Mais ou menos que o Granma, apenas com o sinal invertido?

(7) Um flagrante da chantagem editorial com fins comerciais. Os mercados didático e paradidático são um filão imenso para qualquer editora, e isso não é uma "questão de doutrinação". Ideologia, como de hábito, costuma ser um ótimo pretexto para tudo.

***

A história toda está melhor contada no blogue do Nassif (que, vá lá, pode não ser o melhor exemplo de jornalismo do mundo, mas diante da Veja...): aqui o arremedo de retratação.

Aqui a nota do colégio.

Aqui, o julgamento "curto e drástico" e sem doutrinação da parte da revista.
posted at 23:40:11 on 15-11-2008 by Pinto - Category: Eu me envergonho


Comentários

Artur Araujo wrote:

Caro Pinto, minha companheira é docente na Fac. de Educação da USP e acompanha de perto a qualidade das escolas privadas em SP (e não trabalha para as que indica). Se quiser dicas, informe a idade do Pintinho, pelo meu e-mail. Quanto ao gangsterismo explícito da revistinha, estamos copiando seu post e pondo para rolar nas listas de educadores a que temos acesso. Sugiro que os demais leitores o façam também. É das raras oportunidades para provar, até para o mais ideológico dos leitores, a que tipo de prática se presta o pasquim sul-africano, da turma do apartheid, bem entendido.
16-11-2008 20:28:53

p.aral wrote:

Folhinha: Vamos para o intervalo.
17-11-2008 10:14:03

anaconda wrote:

não vou citar meus mestres do Jornalismo porque senão, o AP que já me chamou de múmia, vai pedir um exame de Carbono 14. Mas avaliar escola com in e out, sobe e desce, brega e chique é de lascar. Veja, há muito, já Elvis...
17-11-2008 14:23:52

Serbão wrote:

...e essa capa com o Fabio Assunção deve ter acabado com a carreira do ator.
com ou sem trocadilhos.
17-11-2008 15:11:08


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo